23 de janeiro de 2012

SPFW: Quarto dia

Olá!
Quarto dia de desfiles com grandes marcas cruzando as passarelas, Cavalera, Jefferson Kulig, FH por Fause Haten, Juliana Jabour e Colcci. Um dia bem heterogêneo, com desfile bastante diversificados. Vamos conferir? 

 Cavalera abriu o dia de desfiles levando seus Cowboys urbanos à estação da luz, em São Paulo. Foi um desfile batante colorido e com muitas estampas, se destacaram o verde militar, vermelho, azul e o preto. Destaque para o jeans resinado imitando couro, veludo, moletom e muita malha. Os comprimentos apareceram mais curtos nas saias e vestidos quanto nas calças. 

Gostei da inspiração e como foi trabalhada. As estampas coloridas constrastando com o preto foi bem interessante. Outra coisa que me chamou atenção foram as modelagens das calças jeans, sequinhas e mais curtas.


 Jefferson se inspirou na tentativa de trazer o campo para a cidade, ou seja, misturou as cores e elementos do campo com a tecnologia das cidades. As modelagens todas bem soltinhas, exceto pelas calças, que bem justas faziam um contraponto com as blusas mais amplas. O inverno veio leve, com muitas cores em tom pastel, como o rosa, verde e amarelo, e com tecidos como sedas, musseline e organza.

Gostei deste inverno leve, com modelagens larguinhas, uma boa alternativa para nosso inverno brasileiro que nao é tão rigoroso. 

 Luxo, foi a palavra que definiu o desfile da marca, que se inpirou em filmes de Elvis Presley . O brilho da seda e transparências marcaram o desfile, junto com peles e bordados e amarrações. A cartela de cores fugiu do óbvio, apresentando bastante verde esmeralda e uva como colorido que contrasta com o preto. O comprimento midi veio com força, tanto nos vestidos mais justos, quanto naqueles com mais volumes. 

Uma coleção tão glamourosa não tem como não se encantar, trás as passarelas as divas do cinema dos anos 60, muito brilho, cortes e caimentos inusitados dão o toque especial à coleção.

Muito jacquard, tricô, tweed, lurex e crepe misturado a cores vivas como o laranja, azul e amarelo e cores neutras como nude e preto nos levam à atmosfera do filme "Viagem a Darjeeling”. As silhuetas variam entre as mais fluidas e as mais justas, muitas claramente inspiradas no anos 60. 

Gostei muito do uso do tweed e das silhuetas, principalmente dos casacos e jaquetas.

 Segundo a própria marca a inspiração foi no “Oriente Express sofisticado”. O tema foi trabalhado através de muito couro, tricôs e alfaiataria. Marrons, caramelo, uva, verde oliva, cinza e laranja foram as cores que predominaram. As saias apareceram na altura dos joelhos, já os shorts bem curtinhos.

Eita marca pra gostar de uma xadrez, nossa, desde que eu conheço a Colcci ela essa padronagem em pelo menos alguma coisa. Sinceramente, a coleção que vai pra loja duvido muito que as saias sejam predominantes neste comprimento. Acho que fugiu um pouco da identidade da marca, parece voltado para uma mulher mais madura, enquanto o publico alvo é o mais jovem. Mas enfim, gostei da cartela do cor, e do uso do couro.

Até a próxima.

Beijos,


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz aí