24 de janeiro de 2012

SPFW: Quinto dia

Penúltimo dia de desfiles, caracterizado por ter desfiles bastante conceituais, mais que os demais dias. Trazendo muito preto e muito couro mais uma vez às passarelas. Temos grandes nomes da moda brasileira como Gloria Coelho, Lino Villaventura e Maria Bonita com os desfiles mais conceituais, João Pimenta vem com sua moda masculina e a estreante Uma por Raquel Davidowicz com looks para todas as idades.

Gloria Coelho abriu o dia de desfiles com uma coleção repleta de couro, transparência, cores neutras, tudo isto inspirado em vulcões e partrículas subatômicas. Os comprimentos variam, hora a saia aparece super curtas e justas e hora na altura dos joelhos com babados. O couro se mescla com o veludo e com a seda. A silhueta bem marcada, cortes geométricos e retos, com detalhes amplos levam aos looks um ar futurista. 

Achei bem interessante essa mistura de detalhes bem femininos com o futurismo. E o couro junto com transparências, formando belas sobreposições. 

A Maria Bonita levou um tema bem brasileiro à passarela, inspirado novo povo do agreste e nas populações rebeirinhas. Isto se refletiu na cartela de cores, e em toda a atmosfera do desfile, como em cenário e música. Pode-se ver modelagens bastante masculinas e comprimentos midi. Nas cores se via a mistura de tons de verde, água, caqui e oliva, com bastante caramelo e marrom. Outros aspectos que remete a brasilidade são as rendas, aplicações e estampas de paisagens. Tudo incrivelmente amarradinho. 

 Mais que um desfile, um conceito completamente trabalhado em todos os aspectos. Nos leva a uma viagem a inspiração que deu origem aquela coleção. 

A estilista Raquel Davidowicz trouxe uma coleção para mulheres de diferentes idades. Muita alfaiataria ou peças mais esportivas dão a cara aos looks, a silhueta mais larguinha levemente ajustada em certos pontos são outra características fortes. Na cartela de cor muito preto e variações do vermelho, como vinho, bordô e vermelho vivo, em menor quantidade podemos ver o cinza e até o branco, em tecidos como sarja encerada e microfibra.

Interessante de criar roupas versáteis, que cabem em vários estilos e várias idades.

Pode-se assistir a um desfile repleto de belos vilões, oriundos do submundo gótico misturado a uma atmosfera do século XIX. Bastante couro, veludo, cores escuras, coturnos, máscaras, tudo contribuiu para essa atmosfera mais dark da coleção. 

Há poucos representantes da moda masculina no país, principalmente que faça um trabalho tão rico e bem feito. É importante valorizarmos tais marcas e ficarmos de olho neste mercado. 

Um dos desfiles mais falados da temporada e um dos mais conceituais também. Dark e sombrio inspirado em Francis Bacon. O desfile contou com bastante preto em seu looks, mas que logo foi quebrado por cores mais vivas em muitos bordado, estamoas e aplicações de pedrarias. Tudo muito luxuoso, incluindo os tecidos como veludo e organza, além de muitos criatais que conferiam o brilho da realeza. 

Tudo que é dark me encanta, principalmente quando é ligado a inspirações na realeza européia. Lindos os volumes nos ombros e os cortes das saias esvoaçantes.

Que pena, já vai terminar mais esta edição do São Paulo Fashion Week, mas amanhã tem mais post com o último dia do evento. 

Beijos,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz aí